quinta-feira , julho 18 2024

Calote da Americanas põe em risco micros, pequenas e médias empresas

Varejista deve quase R$ 1 bilhão

O calote da Americanas pôs em risco a operação de mais de 6 mil micros, pequenas e médias empresas, que têm quase R$ 1 bilhão para receber da varejista, informou o jornal Estado de S. Paulo, nesta segunda-feira, 13.

Sem receber e com o caixa desfalcado, algumas companhias já começam a reduzir a produção e a fazer cortes no quadro de funcionários.

Os cálculos foram feitos com base na lista de credores entregue à Justiça e incluem diversos setores, como alimentos, indústrias, editoras de livros, prestadoras de serviços de TI e manutenção.

A Americanas deve quase R$ 110 milhões às pequenas e microempresas, que podem ter impacto maior que as médias.

A Ingram Micro Brasil, distribuidora de produtos e serviços de tecnologia da informação, é a maior credora entre as consideradas pequenas empresas listadas no documento oficial da Americanas.

Na lista entregue à Justiça, há fornecedores que já receberam parte dos valores, mas continuavam como credores, e também algumas empresas que não foram incluídas no montante — o que reforça “inconsistências contábeis” reportadas por Sergio Rial, ao deixar a presidência da varejista.

O rombo da Americanas foi anunciado na primeira quinzena de janeiro e já provoca um efeito dominó entre os pequenos e médios fornecedores. Alguns estão reduzindo as operações, demitindo funcionários e buscando financiamento bancário para tentar compensar o desequilíbrio provocado pela suspensão dos pagamentos, por causa do pedido de recuperação judicial.

“É como se alguém tivesse entrado na minha empresa, tirado 35% do meu caixa e saísse andando pela porta da frente”, disse um empresário, sob anonimato, ao Estadão. “É mais ou menos dessa forma como eu me sinto.”

Fonte: Revista OESTE

Verifique também

Lojas Quero Quero seleciona colaboradores para sua Terceira loja em Cruz Alta

A Loja Quero Quero está recebendo currículos para diversas vagas, a empresa irá abrir uma …

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *