terça-feira , junho 18 2024

Audiência pública do Senado debate os recursos hídricos do RS

A Comissão de Agricultura e Reforma Agrária do Senado, representada pelo senador Luis Carlos Heinze (PP/RS), realizou uma audiência pública na tarde desta sexta feira (10), na Expodireto Cotrijal, para debater as bacias hidrográficas do RS e a preservação das nascentes.

O senador Luis Carlos Heinze enfatizou que é preciso um esforço conjunto de todos os setores da comunidade para buscar o melhor aproveitamento dos recursos hídricos existentes no RS, a fim de unificar o conhecimento existente sobre o assunto e as alternativas para solucionar o problema da seca.

Ele trabalha desde 2019 pela aprovação de um projeto de sua autoria que autoriza a construção de reservatórios d’água em áreas de preservação permanentes – APP’s. “Estamos desperdiçando água, em plena estiagem, por uma defasagem na legislação que precisa ser corrigida”, disse o senador.

Um projeto de inciativa do Instituto Espinhaço, que tem apoio de Heinze, foi apresentado pelo presidente da instituição, Luiz Oliveira. Denominado de programa Pro-Águas Rio Grande do Sul, segue modelo semelhante ao que vem sendo desenvolvido em cidades de Goiás e do Mato Grosso.

Dentre os objetivos do projeto estão a recomposição florestal, a conservação do solo e dos recursos hídricos, o enfrentamento dos efeitos das mudanças climáticas e fortalecimento do agronegócio no Rio Grande do Sul. “A ideia é iniciar um projeto-piloto nas regiões da fronteira Oeste e Missões, com o objetivo de promover os aspectos positivos da produção agrícola associada à produção de água”, explicou Oliveira. Esse projeto é viabilizado pela inciativa privada.

O geólogo Rogério Porto destacou que no Rio Grande do Sul não existe escassez de água, mas a falta de chuva entre os meses de dezembro a março, que acaba impactando de forma negativa a produção agrícola.

Segundo ele, a ausência de chuvas no ciclo de produção em 2022 gerou perdas de R$ 56 bilhões só no cultivo da soja. “Na pecuária e nos demais setores, o prejuízo foi de mais de R$ 120 bilhões. Por isso, a necessidade de investir na irrigação, que permite produzir 23 milhões de toneladas de soja em 4,2 de hectares e 8 milhões de toneladas de milho em 400 mil hectares”.

Os dados apresentados por Porto estão baseados em um relatório apresentado por ele sobre a reservação de água a partir de barragens e açudes no Rio Grande do Sul. “A partir destes debates, o caminho agora é prosseguir com a mobilização e buscar a solução mais eficiente para a irrigação no Estado”, concluiu o senador Heinze.

Fonte: Assessoria de Imprensa da Expodireto Cotrijal

Verifique também

Iniciadas as obras de revitalização da Estação Rodoviária de Cruz Alta

No início de abril tiveram início as obras de reforma da Estação Rodoviária de Cruz …

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *